Aurora no Alto Douro vinhateiro

Outono na Rota do Douro

6,30h. Madrugada ainda.

Conforme planeado, encontramo-nos na entrada do hotel onde estávamos hospedados. A temperatura estava fresca mas revigorante. O dia prometia ser perfeito para aquilo que estava programado, assistir e registar o nascer do sol a partir do miradouro de S. Leonardo da Galafura no vale do Douro.

Até lá, o percurso é feito por estradas que serpenteiam as encostas repletas de vinhedos há pouco vindimados, oferecendo panoramas únicos para onde quer que se olhe sobrevindo uma vontade indomável de fotografar.

Chegados ao destino, lá longe, descortinávamos já os contornos dos montes envolvidos pela luz da aurora, prenúncio do maravilhoso espectáculo que privilegiadamente iríamos presenciar neste poético e inspirador lugar.

O panorama é sublime. A nascente estende-se o Alto Douro vinhateiro até terras de Espanha, a sul confrontamo-nos com as serras das Meadas e Montemuro, e para poente e norte, as magníficas serras do Marão e Alvão.

Estamos no céu!

P.S. – Agradeço à Primeira Luz e ao Nuno Luís em especial, a oportunidade deste mágico momento.

 

 

 

À proa dum navio de penedos,

A navegar num doce mar de mosto,

Capitão no seu posto

De comando,

S. Leonardo vai sulcando

As ondas

Da eternidade,

Sem pressa de chegar ao seu destino.

Ancorado e feliz no cais humano,

É num antecipado desengano

Que ruma em direcção ao cais divino.

 

Lá não terá socalcos

Nem vinhedos

Na menina dos olhos deslumbrados;

Doiros desaguados

Serão charcos de luz

Envelhecida;

Rasos, todos os montes

Deixarão prolongar os horizontes

Até onde se extinga a cor da vida.

 

Por isso, é devagar que se aproxima

Da bem-aventurança.

É lentamente que o rabelo avança

Debaixo dos seus pés de marinheiro.

E cada hora a mais que gasta no caminho

É um sorvo a mais de cheiro

A terra e a rosmaninho!

 

Miguel Torga